Brasil fora das Olimpíadas amplia série de fiascos das seleções

Brasil fora das Olimpíadas amplia série de fiascos das seleções

 


A derrocada do time sub-23 comandado por Ramon Menezes não é a origem exclusiva de frustração envolvendo a Amarelinha nos últimos tempos

(UOL/FOLHAPRESS) - Ficar fora dos Jogos Olímpicos de Paris-2024 é o capítulo mais recente entre os fiascos na seleção brasileira. Em diversas categorias.

A derrocada do time sub-23 comandado por Ramon Menezes não é a origem exclusiva de frustração envolvendo a Amarelinha nos últimos tempos. O cenário é mais amplo.

Mais do que resultados, o quadro aponta para uma tendência problemática ligada à gestão das seleções feita pela CBF.

Mas também é resultado de escolhas equivocadas por parte dos treinadores e erros de jogadores em momentos cruciais.

O trabalho de Ramon está sob análise e a CBF deve se manifestar sobre o futuro dele depois de uma reunião com o treinador na volta ao Brasil.

OS RESULTADOS

Na seleção principal masculina, 2023 trouxe uma esperança não concretizada na vinda do técnico Carlo Ancelotti, enquanto soluções paliativas -o próprio Ramon Menezes e Fernando Diniz- trouxeram derrotas em amistosos e nas Eliminatórias.

O Brasil está em sexto lugar nas Eliminatórias e viu tabus acabarem. Por exemplo, perdeu em casa pela primeira vez nas Eliminatórias, logo para a Argentina, no Maracanã, em jogo com pancadaria.

Na principal feminina, o Brasil caiu da Copa do Mundo ainda na fase de grupos, não passando por adversários historicamente mais fracos, como a Jamaica. A solução imediata foi demitir a técnica Pia Sundhage e trazer Arthur Elias do Corinthians.

Na base, o efeito positivo que a conquista do Sul-Americano Sub-20 trouxe, sob o comando do próprio Ramon, não se sustentou. A seleção sub-20 foi eliminada para Israel nas quartas de final do Mundial.

Ramon até conquistou o ouro nos Jogos Pan-Americanos, mas trata-se de uma medalha que não passa perto da prateleira mais alta do time sub-23.

No Mundial Sub-17, o Brasil também caiu nas quartas de final. Levou 3 a 0. De quem? Da Argentina.

QUESTÃO ESTRUTURAL

O Brasil passou recentemente por problemas de representatividade no comando da CBF: Ednaldo Rodrigues chegou a ser afastado da presidência pela Justiça. Um dos argumentos para a volta dele foi a necessidade de enviar a lista dos convocados do Brasil para o Pré-Olímpico, já que a Fifa e a Conmebol não reconheciam a administração interina de José Perdiz. Ironicamente, o Brasil não vai a Paris-2024 de qualquer jeito.

Na seleção principal, Ednaldo adotou a estratégia inicial de concentrar o poder e as decisões. Ele não contratou um diretor para o setor ou um coordenador técnico. O trato era direto com o treinador no cargo. Foi Ramon no começo do ano, quando o Brasil perdeu para Marrocos e Senegal -só ganhou da Guiné. Foi com Fernando Diniz, quando vieram os tropeços nas Eliminatórias (empate com a Venezuela e derrotas para Colômbia e Argentina).

O sonho era trazer o técnico Carlo Ancelotti, mas a saída temporária do cargo fez o negócio ruir e o italiano renovou com o Real Madrid. Ednaldo trouxe Dorival como solução definitiva, mas ainda não concluiu a reestruturação da seleção. Aguarda Rodrigo Caetano para ser diretor e tenta trazer Juan, do Flamengo, como coordenador.

Na base, a seleção tem Branco como coordenador. Mas a CBF, de modo geral, passou sufoco e não conseguiu negociar com antecedência a liberação de jogadores para as competições. O que fez com que as listas fossem alteradas de última hora. Ainda por cima, lesões aumentaram a dor de cabeça.

Ramon foi um nome trazido por Ednaldo para a estrutura da CBF, no primeiro ato como presidente eleito, em março 2022.

Na feminina, Ednaldo terminou a passagem da técnica Pia Sundhage, contratada na gestão Rogério Caboclo. A aposta é em Arthur Elias. A seleção feminina, pelo menos, tem vaga olímpica e estará em Paris.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem